domingo, 31 de maio de 2009

Parabens

Mas que mais queres de mim?
Já não basta sofrer de amor?
Já não basta adorar-te assim?
Já não basta tanta dor?

Não! Tu queres mais!
Seduzes sem compromisso
Promete-me que vais
De uma vez, parar com isso!

Pois que já pouco resta
Deste meu coração destroçado
Mas para ti é uma festa

Saber que estou magoado
Se foi isso que pediste
Parabéns, conseguiste!

sábado, 30 de maio de 2009

Se eu pudesse chorar...

Se eu pudesse chorar, choraria
Porque te amo
E não consigo fazer-te feliz
Não consigo ajudar-te
Não te compreendo
Não te escuto
As vezes nem te sinto
Não sei dos teus problemas
E nem dos teus defeitos
Não consigo ver como és realmente
O que pensas ou sentes
Neste momento estou a chorar
Porque te amo
E não consigo fazer-te feliz
Queria ser o teu pensamento
A tua voz
O teu sorriso
Melhor, queria ser os teus sentimentos
Só assim poderia fazer-te ver
Que eu te amo
E quero fazer-te feliz
É só deixares...
Deixa-me entrar no teu coração
Como eu deixei que entrasses no meu
Deixa eu fazer-te feliz como tu me fizes-te
Se eu pudesse mudar algo em mim
Mudaria o tamanho do meu amor
Mudaria de grande para imenso
Ultrapassaria todas as fronteiras
Todos os obstáculos
“Se eu não tivesse muito tempo de vida
Ah! Com certeza eu passaria esse tempo contigo”.
Nada seria igual
Se eu pudesse fugir deste amor
Eu fugiria, mas
Ele esta cravado aqui dentro do meu coração
E dói, porque eu te amo;
E não consigo fazer-te feliz
Como eu queria fazer-te feliz...
Mas se a tua felicidade depende de estar longe de mim
Assim o farei...
Ficarei longe o suficiente para que sejas feliz
Não suportaria estar ao teu lado
Sem te fazer feliz
A distância e o tempo são os melhores remédios do amor...
Eu amo-te!!!!

Se eu pudesse...

Se eu pudesse dizer tudo que sinto,
Diria palavras bonitas ao teu ouvido.
Cantaria letras de músicas
E te faria chorar emocionada.
Escreveria poemas que teriam teu nome,
Só pra poder dizer o quanto és especial.
Chamar-te-ia para sair na chuva,
E de mãos dadas não te largaria mais.
Se eu pudesse, abraçar-te-ia todo o dia
E beijaria o teu rosto bem forte.
Desejar-te-ia bom dia, boa tarde e boa noite.
Faria surpresas, e daria um bombom; um beijo como presente,
E em troca só iria querer um beijo também.
Ah, se eu pudesse ser o teu anjo da guarda,
Não descolava de ti um segundo que fosse.
Levar-te-ia para voar o mais longe que quisesses,
E como crianças, dançaríamos entre nuvens e céus.
Pediria a Deus o teu sorriso para mim,
E guardaria-o numa caixinha que eu jamais perdesse,
E nos piores dias da vida, abriria,
E iria sorrir também, com certeza.
Se eu pudesse fazer tudo que tenho vontade,
Sequestrar-te-ia e fugiria contigo para bem longe.
Viveria o resto da minha vida ao teu lado,
Porque só assim eu morreria feliz.
Faria sonhos bonitos para ti,
Para que estivesses sempre perto de mim
E nunca te esquecesses que existo.
Far-te-ia triste pelo menos um dia,
Para saberes que não sou perfeito,
E que me preocupo contigo.
E o resto dos dias,
Tentaria ser o mais perfeito possível.
Pedir-te-ia em namoro todos os dias,
E com rosas e poesias iria tentar conquistar-te.
Se eu pudesse, telefonar-te-ia todas as noites para dizer um "Amo-te",
Bons sonhos.
Seria o teu melhor amigo e contar-te-ia todos os meus segredos,
E iria adorar ouvir os teus;
Como adoraria ter segredos contigo,
Só teus e meus.
Se eu pudesse, conversaria contigo horas e horas.
Far-te-ia rir sem parar, e também te faria fechar os olhos ao saber
O quanto fui triste até tal momento.
Contar-te-ia toda a minha vida,
E verias que nada foi tão importante quanto Tu.
Se eu pudesse, seria pequeno para que tu cuidasses de mim.
Pedir-te-ia para passares as tuas mãos no meu cabelo,
E a tua respiração no meu ouvido.
Ficaria doente um pouco todos os dias,
E faria de ti a minha cura.
Sentiria frio com a tua ausência,
E gritaria bem forte para que viesses a correr para me aquecer.
Sim sim, se eu pudesse, escreveria o teu nome em todo lugar.
Na minha mão, , folhas de papéis e muros da cidade.
Ficaria ansioso e colocaria a minha melhor roupa,
Usaria o perfume mais gostoso que tenho,
Só para te encontrar.
Se pudesse, sentiria ciúmes e demonstraria a ti,
E como adoraria que tivesses ciúmes de mim também.
Diria a todo instante o quanto estás linda,
E pedir-te-ia para vir a correr para veres o quanto me sinto bonito também.
Faria dos teus olhos o meu paraíso,
Da tua boca o meu pecado,
Teu coração...
Somente meu.
Esquecer-me-ia de tudo e de todos.
Fecharia os meus olhos e seguiria só contigo,
Sem medo de cair ou chorar.
Faria de cada momento ao teu lado,
Infinito, eterno.
Se eu pudesse, fingiria que tudo é verdade
E pensaria em ti como só minha... somente minha e de mais ninguém.
Se eu pudesse,
Só te amaria e mais nada.
Ah! Se eu pudesse...

Se Eu Pudesse Voltar No Tempo

Ontem eu senti vontade de abraçá-la
Dizer que a amava
Quis chamá-la para sair
Ontem eu queria conversar
Falar e ouvir-te
Eu pretendia dizer o quanto és especial
Mas acabei por deixar para depois
O tempo passa tão rápido
A vida é uma correria
E foi na correria da vida que eu te perdi
A linha tênue se rompeu
As luzes se apagaram
Tu adormeces-te
O pesadelo do arrependimento consome-me
Quantas oportunidades desperdiçadas!
Agora é tarde demais
Teus olhos não olham mais para mim
Tuas mãos estão rijas sobre o peito
Já não posso mais sentir a tua respiração
Se eu pudesse voltar no tempo
Seria mais atencioso
Aproveitaria cada segundo ao teu lado
Depois que partis-te
A letargia tomou conta do meu ser
Nada mais posso fazer
Além de recordar os nossos momentos
Sentir a tua ausência
E desejar a tua presença
Se eu pudesse voltar no tempo
Congelaria o teu sorriso
O teu abraço
O teu doce toque
Congelaria a vida que pulsava em ti
Ah, se eu pudesse voltar no tempo!
Nunca, mas nunca te teria amado!

Tão difícil é Amar-te.......

Porque entras-te no meu coração
Não sei como resistir ao teu encanto
Ao chamado de teu coração
Não quero este amor
Não quero este sentimento
São vontades que me dão por segundos
Luto para te expulsar do meu coração
Não posso….. Não consigo
Logo vem a vontade de te abraçar
De te encostar no meu peito
E sentir teu respirar manso
Teu cheiro intenso
Porque tu roubas-te as minhas forças
Agora minha força és Tu
Minha razão de viver és Tu….
Te tocar …. Te mimar…..Te beijar
São vontades…..São desejos
Não te quero perder
Tu és minha Amor
Preciso de ti aqui
Preciso tocar-te sentir-te junto de mim
Para me sentir vivo
Preciso do teu Amor
Preciso da tua doçura
Quero-te na minha vida, no meu coração
Vivendo este amor único mágico
Um amor estranho para mim
Jámais sentido jámais imaginado
Não vejo a hora de te ter aqui de novo
Porque hoje sei que…..
Tudo isto é Amor

Amor que sinto por ti.

Não penses que é fácil viver um amor a kilometros
Mas quem ama qualquer obstáculo supera.
Desde que seja para te encontrar.
A força do amor é bem maior que todas as razões
Que me impedem de chegar a ti.
Sinto-te longe, mas também bem, perto,
O doce amargo da distância faz-me querer
Voar criar asas para voar
Voar até ti
Se fosse o vento seria brisa, para tocar no teu rosto
Chegar ate ti em questão de alguns meros segundos.
Não sei o que ser... Pra chegar até a ti
Seria qualquer coisa qualquer matéria, bicho,
Qualquer objecto.. .algo que me levasse até ti
Até mesmo um ser perfeito ou imperfeito,
Mas a questão... Chegar a ti.
Meu eu... Preciso estar contigo, em qualquer hora,
Lugar.
Sinto uma força a invadir minha alma
Força que me fortalece até o dia de estar contigo.
Preciso de te sentir, de te tocar;
Sentir o teu cheiro;
Cheiro natural só teu.
Olhar nos teus olhos, e sentir tua alma
Cruzando com a minha.
Sentir o teu corpo entrelaçando-se ao meu
E na hora de dois tornarmo-nos um.
Sentir o saboroso gosto da paixão
Aí sim ter a certeza de que sou teu.
Eu vou-te encontrar!
A distância não me impedirá
De viver e realizar o verdadeiro,
Amor que sinto por ti.

No teu silêncio em silêncio

Busco o silêncio, aquele que acalma
Busco a minha alma em silêncio
Talvez, para me encontrar a mim mesmo
Mas este silêncio louco me desgasta
Pois sinto-me confuso no meu silêncio
Foi o silêncio que busquei para entender
Porque sofre a minha alma tanto
E no silêncio, ela chora com compulsão
De tanta perda de entes queridos
Eu sei que nada, me pertence
Não é meu, nada é para sempre
Mas tento falar contigo oh! Meu Amor...
No meu silêncio, tento ir buscar as respostas
Porque tudo o que mais amo
Me retiram e levam para o ifinito
Eu sei que nada é ao acaso
Talvez a minha dor me faça crescer
Ir para mais perto de ti, em sofrimento
Mas este silêncio mata-me em cada segundo
Nesta alma já de si tão sozinha e sofrida
Sei que será no silêncio de meditação
Que saberei as minhas respostas a dor
Meu Amor quanto mais silêncio precisa
Esta pobre alma para chegar a ti….

Gostar de Ti

Gostar de ti
É muito mais
Que pensar em ti…
Gostar de ti
É pensar em nós,
É sonhar acordada
Levitar com os pés no chão…
Gostar de ti
É agarrar o mundo
Na palma da mão!
Gostar de ti
É viajar o mundo
Em apenas um segundo!

Gostar de ti…

Misturar felicidade
Com angustia,
Sofrer e ser feliz…

Explodir de alegria,
Chorar de saudade,
Soltar um grito abafado
De dor…

Gostar de ti
É falar de ti
Deixando os meus olhos brilhar,
Deixando a ternura manifestar!

Gostar de ti
É sentir,
Mostrar que sinto
E saber mostrar!

Gostar de ti
É não te ter
Mas acreditar que terei…

Gostar de ti
É acreditar em ti,
Saber que
Gostas de mim!

Gostar de ti…
… Meu Deus…
Gostar de ti
É amar-te todos os dias…
É esperar acreditando que vou alcançar!

Gostar de ti…
… gostar de ti…
… … gostar de ti
… … … é muito mais do que gostar de ti!

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Como posso chegar a ti ?

E tudo acabou, sem sequer começar...
Eu sinto que estás tão distante de mim.
Ainda não sei bem como continuar,
Mas não deveríamos acabar assim.

Olho vidrado para o infinito,
Esperando que surjas no horizonte.
Sei perfeitamente que estou interdito,
Nunca me deixarás passar a ponte.

Cada vez me sinto mais afastado,
Cada vez me sinto mais agoniado !
O que fazer, para chegar a ti ?

Porque me sinto tão impotente ?
Porque continuo em estado latente ?
Apenas te peço, para chegar aqui.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Não Sou Capaz

Em meus delírios te busco em desespero.
É infinita a dor do meu vil castigo,
Meu coração chora, pressentindo o perigo.
Sentir tua falta, nem morto eu tolero.

Pelo infinito, um olhar teu eu procuro...
E quando o meu coração estiver contigo
Em teu peito encontrará um abrigo,
Protegido por um amor que tanto venero.

Que meu corpo permaneça sem fadiga.
Em teus braços buscarei minha paz.
O teu regresso para sempre eu bendiga.

Esperar-te-ei, porque muita falta me faz.
Com carinho quero que nossa vida prossiga
Viver sem o teu amor sei que não sou capaz.

Amor Real

Foi em busca de Ti
Que bebi de outras fontes.
Foi por trás de outros montes
Que de Ti me escondi.
Lutei para me encontrar
Mas, enfim, me perdi.

Errava por amar
Impossíveis amores:
Senti todas as dores
E não quis-me curar...
Naufragando, afundando,
Escolhi deixar-me afogar.

Persistia no engano
E na desilusão;
Buscava (sempre em vão)
Num outro ser humano
O amor que de Ti
Eu via recusado...

Mas quando me envolveu
A pior solidão,
A Sua forte mão
Minha Vida me estendeu;
E com paciência
Me ensinou: tu serás Minha!

Por Tua providência
Eu quero agradecer.
O vazio do meu ser,
A minha inexistência,

Meu Destino És Tu

Posso dizer que não te quero mais
Mas sei que será da boca para fora
Pois sei que tu estás no meu destino

Posso gritar ao mundo
Contra Ti
Mas o meu coração se corroi por dentro
pedindo por Ti

Pode não ser agora
Porque eu sei que não dá
Mas sei que ainda
Muito contigo vou estar

domingo, 24 de maio de 2009

Amar

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados amar?


Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha, é sal, ou precisão de
amor, ou simples ânsia?


Amar solenemente as palmas do deserto, o que é entrega ou adoração
expectante, e amar o inóspito, o cru, um vaso sem flor, um chão de
ferro, e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de
rapina.Este o nosso destino: amor sem conta, distribuído pelas coisas
pérfidas ou nulas, doação ilimitada a uma completa ingratidão, e na
concha vazia do amor a procura medrosa, paciente, de mais e mais amor.


Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa amar a água
implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.


"Carlos Drummond de Andrade"

Falar De Amor

Se para falar de amor é preciso… pedir desculpa,
Desculpa-me! Pois a vontade de gritar o teu nome
A todas as horas é incontrolável.
Se para falar de amor é preciso… ser rico,
Desculpa-me! Pois empobreci e perdi tudo
Ao conhecer-te e esqueci-me de tudo.
Se para falar de amor é preciso… estar alimentado,
Perdoa-me, pois só os teus beijos, só eles
Alimentam a minh’alma.
Se para falar de amor é preciso… ser jovem,
Perdoa-me, pois envelheci tão rapidamente
Enquanto esperava por ti.
Se para falar de amor é preciso… ter carácter,
Desculpa-me! Pois perdi-o todo
Mesmo diante dos teus olhos.
Se para falar de amor é preciso… ser livre,
Desculpa-me! Pois diante do teu ser aprisionado
Não posso ser livre.
Se para falar de amor é preciso… ser feliz,
Perdoa-me, mas por não ser correspondido
Tornei-me muito infeliz.
Se para falar de amor é preciso… dizer “AMO-TE”,
Desculpa-me! Pois se não disse essa frase até hoje
É porque esperava ouvi-la de…Ti.

Minha Vida

Hoje quero falar de amor.
Quero falar do meu amor,
Quero esquecer-me de mim e viver só de ti.
Quero colocar o teu amor como um selo,
Em cima do meu coração.
Das lágrimas que chorei, dos sonhos
Que não realizei.
Tu… foste o encontro entre o meu maior
Desejo e a minha maior realização.
Vieste até mim como um passarinho…
E fizes-te o teu ninho no meu coração.
Quero que me vejas em cada sonho teu,
Quero ser o ar que respiras,
Quero ser a tua fantasia e a tua realidade,
Quero puder dar-te um mundo de felicidade.
Somos um misto de poesia e canção,
Tu és o meu sonho, meu sorriso,
Meu ponto de chegada e partida.
Tu és o meu amor, a minha vida.

Meu Doce Amor

Doce amada, penso em ti todos os dias.
Povoas os sonhos nas minhas madrugadas!
Mais que uma amante, uma namorada,
És um anjo que me acompanha e me guia!
Como é bom sentir o calor dos teus braços!
Esquecer por momentos, as dificuldades, e tristezas,
Contemplar apenas o teu sorriso, a tua beleza,
Viver e sentir a vida em cada beijo, cada abraço!
A saudade hoje bateu-me no fundo
E veio-me o desejo de sair a andar pelo mundo,
Para reviver tudo o que no passado desfrutamos
Por isso escrevo-te esta cartinha,
Escrita com económicas palavras, em poucas linhas
Para dizer que sinto a tua falta, e que te amo.

sábado, 23 de maio de 2009

Amor Amante

Ah! Esse perfume que me deixa saudade e desperta
Doce lembrança, ainda está nas minhas mãos…
Ah! Esse teu olhar que a minh’alma invade e
Desnuda-me o ser em louco desejo e
Desperta a doce lembrança, ainda está no meu olhar…
Ah! Esse teu corpo que se entrega e se perde na carícia, no beijo,
E que recebe o meu corpo quase cego e desperta
Doce lembrança, ainda te sinto ao meu lado…
Ah! Esse amor que me consome, maltrata, sufoca e conforta,
Á alimento, é vida, sabor de pecado, faz renascer,
Minh’alma quase morta…
Ah! Esta saudade que sinto a todo o instante… e desperta
Doce lembrança, é a certeza de que vivo,
De que amo… E sou amante…

Amo-te

Amo-te com toda a força dos meus músculos,
Com toda a inteligência da minha mente,
Com toda a razão do meu ser,
Amo-te cada momento, com todos os defeitos
Toda a essência do teu ser.

Amo-te como tu não és capaz de imaginar,
Ao ponto de ir à loucura, De gritar nos teus sonhos,
Ouvir os teus sussurros, Fazer de ti o sol da minha vida.
Amo-te mesmo que tenha de me esquecer de mim, entregar
Os meus planos, Mesmo que este amor seja um terrível engano.

Amo, Amo muito
A coisa mais importante deste mundo
É simplesmente… Amar-te.

Amo-te Tanto

Queria que Deus permitisse que
A maior distancia entre nós
Fosse a dos nossos lábios entrelaçados,
Para sempre no nosso amor.
O meu coração bate forte e alto,
Para que o teu possa senti-lo e ouvi-lo
E que teu amor nunca morra ou se esqueça do meu…
Assim como os pássaros não vivem sem o céu,
Assim como os peixes não respiram fora de agua,
Assim como os planetas não existem sem o universo,
Posso dizer, com toda a sinceridade,
Que não vivo sem ti.
São palavras escritas agora,
Mas para serem lembradas para sempre,
Guardadas no teu coração e não tua mente,
Amo-te, amo-te tanto…
Deste coração ouvirás apenas,
Palavras de amor, carinho e apoio,
Vive, cresce e envelhece ao meu lado,
Amo-te, amo-te tanto.

Meus medos Infantis

Estou cansado de ficar aqui
Oprimido por tudo o que me faz parecer diminuído
Estou cansado de ser o coitado
Estou cansado de ser o fingido

A verdade soa no meu peito
Eu já não posso recusar
Eu deitei a minha vida fora
Há! Se eu pudesse fazer retornar aquela que já foi embora

Meu coração gritava…
Eu mentia….
Que não era comigo
Que ela não existia.

O que eu tentava fingir?
O que eu tentava esconder?
Sentimentos que não foram embora
Sentimentos que apareceram fora de hora

Nada mais importa agora…
Encontro-me triste e oprimido
Pelos meus medos infantis
Por tudo o que eu mais queria.

Queria somente ter-te
Queria somente sentir-te uma última vez
Dizer-te que a tua presença ainda existe em mim
Que sem ti não consigo existir.

O tempo não voltará…
Esta dor sempre me consumirá,
Porque já te perdi
Porque o meu coração gritava… e eu escondi-o.

Como...?

Como vou dizer-te
Que agora fazes parte da minha vida…
Que em cada pensamento meu,
a tua imagem ocupa um espaço!
Que em cada suspiro meu, o teu cheiro alcança-me…
Que em cada sonho meu, o teu abraço envolve-me…
Como vou imaginar a vida sem ti…
Se a minha alma caminha no espaço do teu mundo!
Se o meu corpo quer a paz do teu beijo na minha pele…
E os nossos olhares já se encontraram num só!
E descobrimos que o nosso caminho é o mesmo…
Que as nossas mãos se unem em harmonia…
E os nossos pensamentos tocam-se no ar…
E os nossos corpos se encaixam no amar…
Como minha vida…
Como posso deixar de te amar?
Não tem como!
Já não posso!
Preciso de ti…
Quero-te ao meu lado…
O tempo todo!
Não, minha amada…
Não desisto, nunca é tarde!
Já não posso deixar-te…
Pois sempre vou amar-te!!!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Monologo a Dois!!!

Tudo o que escrevo,
Além de ser meu,
É de um outro “eu”
Que vagamente descrevo…

Aquele que além de mim
Se enriqueceu de palavras caras
Em sentimentos baratos…
Mas enfim…

Acho que errei,
Ao deixar o “eu” ficcional
Tomar conta da realidade
Da minha escrita.
É assim
Que hoje, não sei ao certo
Quem sou…

Uma voz, igual à minha
Passeia na mente…
Confusão!!!
Tento-a silênciar,
Em vão!
E assim vai dizendo:
-“ “Eu” sou o “tu”
Mas melhorado…”

Silêncio!
Pensei que fosse incomodativo,
Mas não tanto como de novo ouvir
A voz do meu outro “eu”
A dizer-me:

- “ Repara bem no chão do pensamento,
Eu sou a sombra de tudo o que mexe
Quando estás parado…
Sou a voz em palavras,
Quando insistes em não falar.

Enquanto dormes, sou eu
Que percorro os portais góticos
Da fântasia
E vou-te buscar a inspiração…
Além de por vezes ser engraçado
Apenas ficar quieto, e ver-te dormir…

Ah! Ah! Ah! Que visão!”

Olha a minha sorte!
Até “eu” gozo comigo mesmo
Ou comigo próprio, nem sei…
Estranho por demais,
Conseguir-me ouvir nitidamente,
E não ter o poder de me calar.
Devo estar a meios de enlouquecer
Para variar…


Errei, errei, errei,
Ao não ver mais cedo
Que tinha errado,
Ao criar um complemento de mim...

Sim, admito, estou louco,
A dobrar,
Pois só assim se explica
Este estúpido monologo a dois…

É noite Sobre o Meu Dia!!!

A noite numa morosa cadência lentamente cai
E encontra-me como insólito sozinho,
Por entre as luzes baixas da falta de carinho
Onde até a alegria diluída em suspiros se esvai…

Saio á rua, a duvida sempre em mim recai!
Ansioso tento ler indicações num pergaminho,
Mas não encontro o pretendido caminho
Para seguir por onde a alegria vai…

E é assim que a solidão me oferece seu açoite,
Dádiva de um fado triste à espera que pernoite
Nas linhas do destino a minha poesia…

Talvez seja sina, maldosa e esguia,
Que me faz sentir o negro da noite,
Até na mais pura clareza do dia…

Cairei sim, mas à minha maneira!!!

E virá de novo
A dor,
Para me passar
Mais uma rasteira,
Enquanto seguro o andor
De todas as minhas tristezas...

Cairei sim, como
Muitas outras vezes,
Abraçando de novo a dor,
Para caminhar
De braços com tantas incertezas...

Sei,
Que nada é previsivel, ou intocável,
Nem se pode encomendar um destino
Como se encomenda uma pizza
A vida, não se rege,
De inúteis vontades...
Pois são tantas,
As falsas verdades,
Mesmo não estando a mentir,
Que preenchem o teatro da vida,
Como nuas realidades,falsificadas,
Que se vivem em sonhos,
E que se pensa serem reais
Mesmo não estando a dormir...

Virá de novo
A dor,
Mas eu estarei já preparado,
Conheço o pé que me rasteira,
Por isso digo:

-"Cairei sim, mas à minha maneira!!!"

Agora Sabes Porque Vivo Triste.

A ânsia assenta em mim devagar!
Inunda-me o pensar de amargura
Nem as memórias de um doce sonhar
Atenua o que sinto em dor ou a cura...

Mais vale esquecer os sonhos, que relembrar!
Se o dia me devolve de novo a tortura...
Eu que passo noites pelo teu amor a soluçar!
E o revejo como pecado, em vez de coisa pura…

Agora sabes porque vivo triste?!
Se nem fantasia me elege ou existe,
Que apague a saudade que contenho!

Saudades tuas, que eu em mim retenho!
É todo o sentir, no pouco que de ti tenho
Agora sabes porque vivo triste!!!

domingo, 10 de maio de 2009

Silêncio

Silêncio cruel que me matas o ser
Ter vida sem a ter
Não falar sem perder o estar
Silêncio cruel que cegas o luar

Silêncio cruel que me domina
Perturba a alma e me fascina
Quero matar-te com um grito puro
Silêncio cruel que crias o coração duro

Silêncio cruel que me afundas
Recordas-me cicatrizes profundas
És o pior do meu ser
Silêncio cruel que sem ti não sei viver

"BOSS"

Mata-me Enfim

Não voltarei a chamar-te!
Senão baixinho no meu mundo...

Não voltarei a querer-te!
Senão quando a febre m’apertar...

Não voltarei a beijar-te!
Senão quando em sonhos m’agarrares...

Não poderei esquecer-te!
Senão quando tu me matares...


"UNKNOWN"

Quero O Doce Da Morte

Esconder os olhos
Não ver o brilho dos teus
Sentir o rosto vermelho
Até onde não posso
Ao sentir um toque de mãos
Na hora do adeus

Esconder as lágrimas
Não ver os passos teus
Sentir o amor indo embora
E não querer virar a página
Um aperto no peito
De quem se arrependeu

Esconder-se no breu
Não mais ter a vida em cores
Sentir o coração bater
E saber que ele morreu
Aprender a conviver
Com essas dores

De nunca mais amar
De pedir o doce da morte
De saber que o certo é perdoar
Eu sei.
(Mas...Perdoar é para os fortes...)

Ultimo Sopro

Estive sempre aqui. Nunca abandonei esta casa...
Naquela manhã em que encontraram o meu corpo já frio, muito embora já o esperassem, mesmo assim, não deixaram de ficar chocados. Afinal, uma morte é sempre uma morte!
O amor, especialmente aquele que não tem cura, é como uma espada afiada e apontada à nossa cabeça, que pode descair a qualquer instante. E a que eu tinha por cima da minha, descaiu durante a noite, tão silênciosamente como quando apareceu sem ser esperada e se instalou confortavelmente à espera que chegasse o momento preciso do meu ultimo sopro de vida.
Foi a minha irmã mais nova quem me encontrou primeiro, quando na sua inocência de criança se abeirou da minha cama para me acordar, na esperança de que naquele dia eu tivesse mais algumas forças e pudesse por fim levantar-me para poder ir brincar com ela às escondidas no jardim. Era tudo o que ela queria!...
Entre choros e soluços, levaram-me o corpo dentro de uma urna branca, mas não puderam levar-me a alma... Essa continua aqui, presa aos sentimentos e às lembranças de quem me concebeu e me deu a vida. A mesma vida que aquela espada gelada me roubou muito antes de ser vivida. Não é justo!

Já partiram todos, mas eu ainda continuo aqui, preso a uma vida que não vivi...
Já só restam os escombros, mas é o único lugar que conheci deste mundo ao qual já não pertenço há séculos, mas que também foi meu.
Talvez um dia me liberte... quando já não restar nada a não ser o pó de uma vaga lembrança. Uma lembrança onde, mesmo assim, ainda permanecerei e farei parte da história de uma casa assombrada, que passou de geração em geração e alguma avó se lembrar de a contar ao seu neto. E será uma daquelas, que inevitavelmente começam sempre por "era uma vez" ...

"Impulsos"

sábado, 9 de maio de 2009

..............

Sei que este escrito é chocante, principalmente para as mulheres, mas infelizmente também sei sentir assim!!!



A querer, não me queres,
A todas as horas me ignoras.
A ser lindo. sinto-me findo.
A ser eu, sinto-me réu!

Estou cansado de te amar,
Estou exaurido de te pensar,
Estou cansado do teu negar,
Sai espontâneo, um novo olhar.

Quero abafar o teu julgar.
Quero ser o que vais absorver.
Quero-te reter, e assim obter
De ti, aquilo que desejar.

Quero-te pronta, sem defesas,
Para as minhas presas, sem surpresas.
Quero ser déspota, quero ser ditador,
De mulher rendida o vencedor.

Quero-te destruir e te reconstruir,
Na razão do meu sentir.
Quero-te de rastos, quero-te de quatro
No meu quarto te usufruir.

Quero-te possuir sem apelo,
De mim sentires o gelo,
Do homem que não quis sê-lo,
Agora brota em mim em cada pelo.

Quero o teu sexo fechar,
A chave em mim trazer,
Seres a fonte do meu prazer,
Seres o objecto do meu querer.

Em ti quero rasgar
Cada boca do teu negar.
Em ti quero plantar,
Cada gesto meu, o teu amar.

Não mais o teu não,
Somente a tua paixão.
Todo o teu sim,
Porque agora só te quero assim.

E sem mais, e sem qualquer rodeio,
Não mais do que não anseio,
Devido a ti quero ser feio,
Ser aquilo que mais odeio.

"UNKNOWN"

Esqueçi

Esqueci-me como se escreve…
Já não sei como se brinca com a caneta.
Não sei como jogar com letras
Vocábulos deleitados.
Esqueci-me como se faz
Sonetos de amor e paz.
Amnésia de ordenar
Palavras e frases,
Omissão de pontuar.
Esqueci-me como se canta
Poesia ao acordar.
Quadras ao deitar.
Já não sei como clamar ao sol
Sentimento por ti surgido.
Não sei como navegar nos mares
O desejo de te querer.
Na escrita da saudade
Já nem sei como discursar.
Proíbo-me de suspirar
Pois já não sei versejar.

Perto de Ti



É impossível existir sem te abraçar
No meu corpo tu reinavas
Fechava os olhos e então via-te chegar
Mas tu não estavas

É impossível o teu beijo não querer
E o teu perfume esquecê-lo
Fechava os olhos, porque te queria ver
Que pesadelo

Eu queria ter-te aqui
Queria estar perto de ti
Pede o sol, pede o mundo
Mas dá-me um só segundo
P'ra estar perto de ti
E então poder ter-te aqui

Eu queria ter-te aqui
Queria estar perto de ti

É impossível no silêncio tão feroz
Que ainda faça mais sentido
Ouvir no escuro do meu quarto essa tua voz
Dizer que ainda me amas e me queres ao meu ouvido

Eu queria ter-te aqui
Queria estar perto de ti
Pede o sol, pede o mundo
Mas dá-me um só segundo
P'ra estar perto de ti
E então poder ter-te aqui

Eu queria ter-te aqui
Queria estar perto de ti
Pede o sol, pede o mundo
Mas dá-me um só segundo
P'ra estar perto de ti
E então poder ter-te aqui

Procuro




Há uma voz de sempre
Que chama por mim
Para que eu lembre
Que a noite tem fim

Ainda procuro,
Por quem não esqueci
Em nome de um sonho,
Em nome de ti

Procuro à noite, um sinal de ti
Espero à noite, por quem não esqueci
Eu peço à noite, um sinal de ti
Por quem eu não esqueci

Por sinais perdidos
Espero em vão
Por tempos antigos, por uma canção
Ainda procuro, por quem não esqueci
Por quem já não volta, por quem eu perdi

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Sonhando à Beira-Mar

Estava eu à beira-mar,
Veio uma onda de poesia
Que me deixou a pensar,
Se era amor que eu sentia.

Por momentos, meio perdido,
Vi um anjo todo airoso
Que me disse ao ouvido;
Meu amigo, estás amoroso.

Meu peito ficou enleado
Minha cabeça irrequieta,
Nunca me tinha lembrado
Que tinha alma de poeta.

E nas vagas espumando
Ao sabor da maré-cheia,
Vi nas águas caminhando
Junto à costa uma sereia.

Foi então que eu senti
Meu coração perturbado
E depressa compreendi
Que já estava apaixonado.

Nada mais pude fazer
Nesse instante de magia
Que não fosse o escrever
Nas ondas da poesia.

Sete quadras imprimi
Pra mais tarde recordar
Esse sonho que eu vivi
Certo dia à beira-mar.

Onde Está O Dinheiro

Os Bancos não têm dinheiro
E o povo dinheiro não tem,
Sendo assim, é bem certeiro,
Que eu estou ‘‘teso’’ também.

Ouvi um ‘senhor’ a dizer
Numa historia mal contada,
Do que vai acontecer,
Ser a crise… a culpada.

Com as coisas a correr
No rumo que vão a seguir,
Preparem-se para ver
Os ricos, na rua, a pedir.

Na minha pobre cabeça
Há uma grande confusão,
Que não haja quem conheça
Onde está… o ‘’patacão’’.

Eu não sei se foi pró Norte
Ou pró Sul que ele voou,
Se não tinha passaporte
Como é que ele imigrou?

Com estes ventos agrestes
Penso eu, senhor banqueiro,
Terem sido extraterrestres
Que roubaram o dinheiro.

Talvez um dia se veja
O ricaço coitadinho,
À porta de uma igreja
A pedir um tostãozinho.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

ACorDar

Há bem pouco tempo eu li
Um texto bem engraçado
Muito simples, deduzi
E de realidade bem vincado

Falava do acordar
E de quem nunca acordou
Por receber sem nunca dar
Por quem nunca sonhou

Partilho convosco então
Esta simples brincadeira
Pode parecer diversão
Mas é muito verdadeira

Já alguma vez reparou
Ao ler a palavra “acordar”
Que se as sílabas separar
A-Cor-Dar, tudo mudou?

A cor dar é opção
De querer a vida colorir
De pintar o coração
Com novas formas de sentir

Um sorriso colorido
Pôr-do-Sol à beira mar
Um meigo luar sentido
Porta aberta para sonhar

Faça chuva, sol ou vento
Frio ou muito calor
A vida é um momento
Com muita, ou pouca cor

E neste arco-íris viajante
A que damos cor, ou não
Tudo muda num instante
Sem aparente razão

Escolha agora uma cor
A que alguma coisa lhe diz
Viva a Vida sem rancor
Acorde e seja feliz!

Vermelho é sangue, é vida
É paixão e sedução
A Vida-ao-rubro é vivida
Com muita, muita emoção

Beber o verde-esperança
Da Natureza envolvente
É ter sempre na lembrança
Tudo o que de bom se sente

Quem o azul-mar preferir
Boa escolha sempre faz
Olhar o céu faz sentir
Aquela sensação de paz

Do amarelo-sol que dizer?
Pura magia pela manhã
É opção a escolher
Para uma Vida mais sã

O rosa da meninice
Fica sempre na lembrança
Quem dispensa a meiguice
De um sorriso de criança?

Castanho-terra é genuíno
Transparência, autenticidade
É escolha de quem tem tino
De quem prefere a qualidade

O branco-neve é pureza
Para quem procura tranquilidade
Para pincelar a tristeza
De candura e sensibilidade

O Preto-carvão é a cor
Mais triste que eu conheço
Relembra a morte e a dor
Não a escolham! Eu vos peço!

Então para terminar
Se me permite opinião
Não viva sem a cor dar
E sonhe com o coração!!!

Acordar do Sonho

As novidades reais estão longe demais.
Aparecem baças e indivisíveis aos meus olhos.
Sofro de uma estranha forma de miopia.
Apenas aquilo que me é visível.
Todo o que foi e o que será estão-me vedados,
Ocultos pelo deslumbre do momento.

Sim ,confesso ,vivo deslumbrado pelo momento.
Seja ele palpável ou apenas mais uma construção da minha ociosa mente.
Não conseguindo escolher nenhuma máscara do passado ,logo tranco-os no baú do esquecimento.

"Águas passadas não movem moinhos!"
Digo eu para quem não quer ouvir.
Só mais uma mentira esmagada pela mó que bebe dum seco,cansado mas inesgotável ribeiro.

Fecho os olhos e tento chamar o sono de volta.
Doce e narcótico.
Deslizo pelo tortuoso escorrega da minha fantasia.
Tomo chá com a Alice e o Chapeleiro paranóico.
Velhos amigos desconhecidos e sem memória.

Vivo e revivo no sonho.
Sonho e "re-sonho" na vida.
Vivo nos meus sonhos futuros.
Sonho na minha vida passada.

Hoje continuo a dormir,a sonhar, dormente.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Amores

Meia-noite de sexta-feira
Sentado no meu sofá,
Sem saber muito bem o que fazer
Se ler
Ver tv
Talvez ir dormir...
(“Estou sem sono”)
Engraçado o dia de hoje
Encontrei sem querer uma ex-namorada
Tive notícias de outra
Conversei com aquela que poderia ser a actual
Recebi um e-mail de, talvez, uma futura...
Amores...
Amores...
Conturbados amores...
Quantos amores já tive?
Sou alguém que vive a amar...
Estou sozinho...
Deveria estar triste...
Mas,
Sinto-me tão feliz
Tão leve...
Amor...
Só quero amar...
Até encontrar o definitivo amor.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Começar a Renascer

Hoje direi a mim mesmo:
Quero estar de bem com a vida,
E em paz comigo mesmo,
Com as pessoas que me rodeiam
E as que estão distantes de mim.

Vou irradiar esperança e amor,
Aliviar a dor de todos aqueles
Que se confiaram a mim.
O que de graça me foi dado,
De graça será retribuído.

Não vou queixar-me do passado,
Daquilo que deixei de fazer
E do que não deu certo.
Meu pensamento se eleva,
Meu viver se intensifica.
Caso eu venha a sofrer hoje
Algum impasse inesperado,
Hei-de vivê-lo com naturalidade
E agir com calma e sabedoria.

Que todos me ajudem a ser
Esta pessoa nova
Que nasceu para algo mais:
Ofereço meu ombro amigo,
Quero que contem comigo
Para chorar, sorrir, viver, sonhar...
A partir de hoje, começo a renascer!

Renascer

Tal como o sol renasce
Depois de uma tempestade
Eu renasci
Com sede de verdade

O sangue corre-me quente nas veias
Sentindo o mundo, a lutar por mim
Já não me conformo em observar por janelas
Já não desejo nenhum fim

Estou farto de esperar algo
Quero verdade, quero honestidade
Quero saber quem está comigo
Quero sentir a minha liberdade

Não quero ser mais a vitima da tempestade
Quero ser o seu causador
E luto por isso com ansiedade
Sou um eterno lutador

Posso não saber se alguma vez fui amado
Mas sei que serei sempre admirado
E se já não o sou agora
Se-lo-ei na proxima hora

Se a disciplina antes não me dumou
Jamais me dumará agora
A fraqueza, hibernou
E agora ninguém me mandará embora!

RENASCI DAS CINZAS

Todos os rios passam...
Todos os ventos...
Todos os sofrimentos.
Passas por mim e nem notas.
Ou percebes?
Que o sorriso voltou a morar no meu rosto.
Já não tenho a expressão de desgosto.
Tudo passa.
És do passado.
De um livro fechado.
Um cofre lacrado.
Se muito me magoaste.
Nem notaste...
E que as feridas cicatrizaram?
Teus olhos notaram?
A verdade é que nada disso mais importa.
Fechei uma porta.
Falo aqui de um moro.
Que renasceu como fênix e voa de encontro a um novo sol.
Uma ave esplendida que acredita no sol.

RENASCI PARA UM NOVO DESTINO

Passaste por mim como um relâmpago que rasga o ceu na efemeridade do tempo.
Foste em mim o tudo que se fez nada,e o nada que se fez tudo.
Foste a causa ,mas não a causadora.
Foste a nascente mas não a fonte onde jorra o amor.

Nesse rio onde me vis-te desabrochar,ficaste eternamente na outra margem,sem nunca arranjares coragem de atravessares o rio onde me poderias encontrar.
Na margem onde desabrocharam os meus sonhos,contemplei-te sempre de longe com medo que teus raios me ferissem o olhar,naquele tempo que foi nosso.
Queria que tivesses sido o sol que me faria crescer,mas foste a trovoada que me derrubava a cada instante.
Queria que tivesses sido a chuva que me matasse a sede,mas foste a enchente que me alagava as ilusões.
Era silêncioso o rio que nos separava,asim como eram silênciosos os diálogos que teimosamente trocávamos.
Desabrochei enfim quando o teu raio de luz desapareceu no horizonte e se desfez na terra húmida,perdendo toda a sua força e o seu brilho.
Encontrei-te nas tuas fraquezas e nos meus medos de menio.
Encontrei-te na tua dolorosa partida,e no vazio da tua ausência.
Encontei-te e compreendi a missão que te tinham destinado.

Agarrei então nessa energia que de ti se afastava,nesse brilho que enfim me querias transmitir.
Agarrei-o com as minhas duas mãos sedentas desse amor há tanto tempo adiado.
Iluminei a minha vida e o meu caminho,E
RENASCI PARA UM NOVO DESTINO..

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Começar De Novo

Saio da escuridão...
Titubeio,piso em falso...
A luz ofusca a visão,
Persisto no encalço
De ir de encontro à luz!
Esforço-me, cambaleio,
Corpo pesado, passos cansados,
Descompassados, sem precisão...
Recomeçar é preciso,
Livrar-me do castigo
A que me condenei...
Livrar-me dos pecados
Que me foram atirados
Sem eu mesmo saber porquê...
Sem direito de me defender...
“Eu, pecador, confesso...”
A culpa que não cometi,
As dores que muito sofri,
As lágrimas que tanto verti,
Agora volto e protesto...
Quero a absolvição!!!...
Se amar demais é pecado
Morro sem pedir perdão...
Pois amar foi o que mais fiz,
Não me importa se a pessoa errada,
Não me importa se fui enganado...
Mas foi o amor que eu sempre quis!
Das agruras que a vida me deu,
Somente a esperança restou,
A mim próprio se comoveu,
E não outro por mim só aqui estou.

Tinha muito que dizer desta vida,
O quanto em mim ela me pesou,
Mas, a dada altura, ela foi vivida,
E o que era duro leve se tornou.

Ainda hoje me pergunto o porquê
De tanta incongruência assim,
Se tudo o que visionava perto se vê,

Quando descobri que é melhor viver
Do que morrer em vida aqui,
Onde cabe-nos apenas enaltecer.

"UNKNOWN"

domingo, 3 de maio de 2009

Eu Sonhei um Sonho

Eu sonhei um sonho num tempo que já se foi
Quando esperanças eram elevadas e valia a pena viver
Eu sonhei que o amor nunca morreria
Eu sonhei que Deus estaria perdoando

Então eu era jovem e destemido
Quando sonhos eram feitos e usados e desperdiçados
Não havia nenhum resgate a ser pago
Nenhuma canção não cantada, nenhum vinho intocado

Mas os tigres vêm à noite
Com suas vozes suaves como trovão
Como eles despedaçam sua esperança
Transformando seus sonhos em vergonha

E ainda sim sonhei que el veio até mim
E que viveríamos os anos juntos
Mas há sonhos que não podem ser
E há tempestades que não podemos prever

Eu tive um sonho que minha vida seria
Tão diferente deste inferno que estou vivendo
Tão diferente daquilo que parecia
Agora a vida matou o sonho que sonhei



"Les Misarables"
Eu queimo, eu definho, eu pereço
Porque vivo nosso conto de fadas
Até te encontrar num recomeço
Em dias de céus, e dias de nadas.

Quedamo-nos nas fofas camadas
De ti e de mim, mais me conheço...
Eu queimo, eu definho, eu pereço
Porque vivo nosso conto de fadas.

E simplesmente por te amar, teço,
Palavras na superfície espelhada,
Em que te vejo, no meu avesso
Cozo, fio em teus beijos, alucinado,
Eu queimo, eu definho, eu pereço...